Entendendo melhor o que é Hipertensão arterial

Para entender o que é hipertensão arterial é preciso antes entender alguns conceitos.

O coração é uma ‘bomba’ que impulsiona o sangue para o organismo através das artérias. A força que o sangue exerce contra as paredes dos vasos sanguíneos é chamada de pressão arterial.

O coração trabalha em dois tempos: ele se contrai e manda sangue para o organismo (sístole) e se relaxa permitindo novamente o enchimento de sangue (diástole). Quando o coração se contrai temos uma pressão máxima (sistólica) e quando se relaxa, uma pressão mínima (diastólica).

O diagnóstico de hipertensão arterial (pressão alta) é feito quando a medida da pressão arterial for igual ou maior que 140X90 mmHg, no entanto o valor ideal da pressão arterial é de 120X80 mmHg.

A hipertensão arterial é uma doença crônica, comum e silenciosa. Foi feito um levantamento e se constatou que em 2001, cerca de 7,6 milhões de mortes no mundo foram atribuídas à elevação da pressão arterial

Um grande problema da pressão alta é o fato de não manifestar sintomas. É um erro achar que a dor de cabeça, tontura ou mal-estar são sinais de pressão alta. Ocorre que a própria dor e o mal-estar levam ao aumento da pressão arterial. Picos de hipertensão arterial podem causar dor de cabeça, tontura e mal-estar, mas podem também ocorrer de forma assintomática.

Muitas vezes, quando é feito o diagnóstico, já há dano ao organismo, por isso, mesmo não tendo pressão alta é recomendado aferir a pressão arterial pelo menos uma vez ao ano para fazer o diagnóstico precoce.

O aumento crônico e persistente da pressão arterial pode causar lesões em todo corpo.

No cérebro, podem ocorrer os derrames, que são os acidentes vasculares cerebrais (AVC) isquêmicos, quando há entupimento de uma artéria, ou hemorrágicos, quando há rompimento de alguma artéria.

O coração, por ter que trabalhar com pressões mais altas nos vasos sanguíneos, vai sofrendo uma hipertrofia, ou seja, um aumento na musculatura. Esse coração mais “musculoso” consome mais oxigênio. Esse desbalanço a longo prazo pode levar a maiores chances de infarto e de insuficiência cardíaca (coração inchado e fraco).

Os vasos dos rins também sofrem com pressão alta. A hipertensão arterial causa danos às artérias que suprem os rins, além de lesar as delicadas artérias responsáveis pela filtração sanguínea, podendo levar à insuficiência renal crônica e necessidade de diálise.

Nos olhos, pode acometer os vasos da retina e levar à perda de visão.

Pode também causar lesão em vasos mais periféricos levando a dificuldade e dor para andar e até impotência sexual.

O tratamento da hipertensão arterial é feito com modificação do estilo de vida e uso de medicação.

Para modificação do estilo de vida, é necessário:

  1. Controle de peso: índice de massa corporal (IMC) menor que 25 kg/m2 e a circunferência abdominal < 102 cm para os homens e < 88 para as mulheres.
  1. Dieta saudável: rica em frutas, hortaliças, fibras, minerais e laticínios com baixos teores de gordura, tem importante impacto na redução da pressão arterial. Incluir duas ou três porções de laticínios desnatados ou semidesnatados por dia. Preferir os alimentos integrais, como pão, cereais e massas integrais ou de trigo integral. Comer castanhas, sementes e grãos, de quatro a cinco porções por semana. Reduzir a adição de gorduras. Utilizar margarina light e óleos vegetais insaturados (como azeite, soja, milho, canola). Diminuir ou evitar o consumo de doces e bebidas com açúcar.
  1. Redução da ingestão de sal: não deve ultrapassar 5 g por dia. Por isso, devem ser evitados alimentos industrializados, como comidas congeladas, embutidos, enlatados, caldos e temperos prontos, batata chips e “salgadinhos”.
  1. Evitar ingestão excessiva de álcool: não devem ultrapassar o consumo de 30 gramas de etanol para o homem e 15 gramas para as mulheres. Volume máximo permitido de algumas bebidas para os homens (para as mulheres dividir pela metade) – Cerveja: 2 latas de 350 ml; Vinho: 2 taças de 150 ml; Uísque, vodka, aguardente: 2 doses de 50 ml.
  1. Atividade física: pelo menos cinco vezes por semana, 30 minutos de atividade física aeróbica moderada, por exemplo, a caminhada. Em relação à musculação, recomenda-se que sejam realizados entre 2 e 3 vezes por semana, por meio de 1 a 3 séries de 8 a 15 repetições.
  1. Controle do estresse: Meditação, musicoterapia, yoga e outras maneiras de controlar o estresse contribuem para melhora da pressão
  1. Parar de fumar.

Deve-se lembrar que a pressão alta é uma doença silenciosa, que geralmente não apresenta sintomas, por isso muitas vezes é diagnosticada tardiamente, quando há mais problemas instalados. Por isso, o paciente tem grande dificuldade de seguir as orientações para redução da pressão arterial e por isso ele pode contar com a ajuda de uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais e fisioterapeutas.

Mudança do estilo de vida associada muitas vezes ao uso de remédios são o único caminho para controlar a doença e prevenir que outros problemas apareçam.

Agende sua consulta com a nossa equipe de Cardiologia para cuidarmos mais de você!

whatsapp telefone facebook instagram logo_ae menu_mobile